Guerra é coisa de “macho”

Guerra é coisa de “macho”: Do direito natural de disputar a fêmea num combate mortal ao direito moral, cultural ou humano não há muita diferença. Qualquer diminuição dos homens como machos é uma justificativa para a violência e guerra, para se tornarem guerreiros, o símbolo primitivo do homem macho na antiguidade, ou se tornarem militares fardados, na modernidade. Toda mulher sabe que sua segurança e a de outros está em risco por causa disso.

“Queen e Slim”, o amor em tempos de Black Lives Matter

Dentro da proposta de discutir e analisar obras artísticas que versam sobre a temática da violência e da segurança pública, damos início à seção “Linguagens da Violência” com a resenha do filme “Queen e Slim”. A advogada Natália Pinto traça paralelos entre a história de amor contada na película e suas inter-relações com a políticaContinuar lendo ““Queen e Slim”, o amor em tempos de Black Lives Matter”

Livro aborda as políticas públicas diante do crescimento de facções criminosas

As facções se tornaram uma expressão corrente em nosso vocabulário. Ao mesmo tempo, é possível perceber a dificuldade de se estruturar uma ação coordenada que vise a sua repressão. A advogada Natália Pinto Costa aborda essa relação em pesquisa que virou livro. Pesquisa analisa propostas de prevenção que abordassem especificamente as chacinas e micro chacinas que ocorriam com frequência, tanto dentro dos presídios como extramuros.