Plano Nacional prioriza profissionais de segurança; feminicídios e letalidade policial ficam de fora

Ao mesmo tempo em que dá ênfase à proteção dos policiais, o novo Plano Nacional de Segurança exclui qualquer menção à letalidade policial, que deixa de ser um indicador. Em seu lugar, entram o quantitativo de profissionais de segurança pública mortos em decorrência de sua atividade, a taxa de vitimização de profissionais de segurança pública e a taxa de suicídios de profissionais de segurança pública. Saberemos de forma precisa quantos policiais morrem no Brasil. Em compensação, o número de pessoas mortas pela polícia será uma incógnita. É quase um excludente de ilicitude estatístico. Reprimir o crime organizado, combater a expansão das milícias, rever a política de drogas, aperfeiçoar o controle e o rastreamento de armas de fogo, munições e explosivos, articular ações no âmbito da gestão municipal da segurança… Nenhum desses temas aparece como um grupo prioritário no documento.

Movimentos e entidades católicas, lideranças, religiosos/as e pastores do Ceará assinam carta aberta em defesa da democracia

Assim como ocorreu com a Igreja Betesda no Ceará, movimentos da Igreja Católica e pastores de diversas denominações assinaram uma carta aberta em defesa da democracia e da vida. No texto, os signatários fazem memória do papel da Igreja no combate à Ditadura Militar bem como destacam a necessidade do profetismo nos tempos atuais. Confira o texto na íntegra publicado com exclusividade no Blog Escrivaninha.

Os múltiplos gritos dos/as excluídos/as: um guia das manifestações no Ceará

Quem é do Ceará e deseja participar das manifestações do 27º Grito dos/as Excluídos/as, segue uma relação de locais e horários. Nestes 27 anos de história, o Grito dos Excluídos e das Excluídas mudou a cara do 7 de Setembro e da Semana da Pátria. Chamou o povo para descer das arquibancadas dos desfiles cívicos e militares e participar, ativamente, na luta por seus direitos, e ocupar as ruas e praças, nos centros e nas periferias de todo o Brasil. Vale ressaltar os cuidados sanitários e com a própria segurança que cercam um evento como esse.

A polícia militar não pode servir como força auxiliar do caos

Na falta de um corpo organizado no interior das Forças Armadas que tope encarar a aventura do autogolpe, como ocorreu na Ditadura Militar, o presidente busca aliados em suas forças auxiliares, as polícias militares, causando mais uma dor de cabeça aos governadores. Vale ressaltar que os gestores estaduais são tidos pelos grupos bolsonaristas como os bodes expiatórios de tudo o que acontece de ruim neste país: da explosão de casos de Covid-19 ao aumento no preço da gasolina. O Ceará tem dado um exemplo de como lidar com grupos cujos interesses se chocam com os valores democráticos. A atuação do Ministério Público Militar e da CPI das Associações Militares são peças fundamentais para determinar o que há por trás das ações de insubordinação mais recentes contra o Governo do Estado. Não é o momento de tergiversar. Em momentos de crise, a Polícia Militar precisa se manter como uma força auxiliar de defesa da ordem constitucional e não de interesses escusos, por mais que venham embalados sob a ardilosa bandeira do patriotismo.

Pastorais sociais denunciam “cisma branco” e rejeição ao modelo de Igreja do papa Francisco

Vinte e seis pastorais sociais e movimentos da Arquidiocese de Fortaleza se manifestaram ontem, por meio de uma nota de solidariedade, sobre as agressões sofridas pelos sacerdotes da Paróquia da Paz. De acordo com o documento, as ofensas mostram “com clarividência a rejeição ao modelo de Igreja em saída para as periferias, ao modelo de Igreja participativa e da profecia que papa Francisco tanto deseja e que ele mesmo tem encontrado por parte do conjunto de muitos que se dizem ‘católicos’ e mesmo de hierarquia e laicato, profundas dificuldades e rejeições, num verdadeiro ‘cisma branco’ no interior dessa Igreja”.

Frei franciscano sofre ataques e ameaças de morte por apoio à população LGBTQIA+

As hostilidades a religiosos que defendem uma igreja com valores mais progressistas não se restringem apenas às intimidações ocorridas aos padres da Paróquia da Paz e que resultaram no ingresso dos sacerdotes ao Programa de Prevenção a Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH). O frei Lorrane Clementino, da Ordem dos Frades Menores (OFM), vem sendo alvo, nos últimos dias, de ataques pessoais e ameaças de morte por sua luta a favor da população LGBTQIA+ e pelas críticas feitas ao Governo Federal e às práticas conservadoras no interior da Igreja Católica.

“Botamos os comunistas pra correr”, grupo comemora boicote a padres

“Brasil acima de tudo. Deus acima de todos. Missa Paróquia Paz hj. Botamos os comunistas pra correr”. A mensagem de voz que circula no whatsapp dá conta de uma bem-sucedida ação promovida na Igreja Matriz da Paróquia da Paz, nesse último domingo, dia 18, por bolsonaristas. Um militar reformado expõe ao interlocutor suas impressões sobre a presença ostensiva e organizada de opositores na celebração a fim de impedir que pautas que não fossem de interesse do grupo fossem abordadas na missa. A intimidação dos religiosos da Paróquia da Paz, sem que os opositores enfrentassem maior resistência, abre um perigoso precedente na Igreja Católica do Ceará. Os profetas ainda poderão falar na Arquidiocese que um dia foi conduzida por dom Aloa sio Lorscheider?

Padre Lino irá solicitar inclusão no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH)

Aos 82 anos de idade e aos 56 anos de vida sacerdotal, o padre italiano Lino Allegri, deverá solicitar o ingresso no Programa Estadual de Proteção aos Defensores e Defensoras de Direitos Humanos (PPDDH). A decisão ocorreu na noite da última quinta-feira, dia 15, durante uma reunião virtual com amigos e membros da Defensoria Pública e do Ministério Público. A escalada de agressões, ataques virtuais e hostilidades ocorridas na Paróquia da Paz contribuiu para que esse fosse o caminho a ser tomado. A medida visa à proteção da integridade pessoal do sacerdote, bem como assegurar a manutenção da atuação dele na defesa dos direitos humanos. A possibilidade de que mais pessoas envolvidas nesse episódio de intolerância possam vir a pedir a inclusão no programa não está descartada.

Hostilidade a padres reflete polaridade política na sociedade e na igreja

A Paróquia da Paz vive os efeitos de uma “guerra fria” causada pela polarização política e por desentendimentos sobre as decisões tomadas pela Igreja Católica após o papado de Francisco, bem como a chegada à paróquia de sacerdotes alinhados aos novos rumos do Vaticano. O que vinha transcorrendo como um conflito ideológico velado, restrito apenas ao universo cotidiano dos paroquianos, tornou-se um caso de repercussão nacional após a tentativa de intimidação promovida por fiéis da própria paróquia ao padre Lino Allegri, no último dia 4, após a celebração dominical.

Em áudio, empresário faz ofensas a pároco e reforça ação de “patriotas” no domingo

O Blog Escrivaninha obteve acesso a um áudio de whatsapp no qual um empresário profere diversos ataques ao padre Oliveira Braga Rodrigues, pároco da Paróquia da Paz, na Aldeota. O religioso é chamado de “comunista”, “canalha”, “picareta”, “imbecil” e “safado”. A mensagem de voz se encerra com mais ofensas e ameaças a partir da presença dos “patriotas” na celebração de 8 horas do domingo. O homem ainda debocha do esquema de segurança montado pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) no último domingo, dia 11, que havia enviado viaturas para monitorar o entorno da igreja.