Série de assassinatos múltiplos gera terror na Região Metropolitana

As estatísticas do mês de agosto interromperam a tendência de queda nos assassinatos no Ceará. O cenário que se descortina pela frente não é auspicioso. Os primeiros quinze dias de setembro já são superiores em homicídios aos quinze primeiros dias de agosto, indicando que a onda de violência é ascendente. Os assassinatos múltiplos se sucedem, em especial na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

Crimes violentos letais intencionais aumentam 8% em agosto no Ceará

A trajetória de queda observada nos números da violência letal deste ano, no Ceará, foi interrompida. O Estado registrou 281 crimes violentos letais intencionais (CVLI) no mês passado, ou seja, um aumento de 8% na comparação com agosto de 2020, quando foram contabilizados 260 assassinatos. Em 2019, esse número foi ainda menor: 186. O CVLI representa a soma dos seguintes crimes: homicídio doloso/feminicídio, lesão corporal seguida de morte e roubo seguido de morte (latrocínio). Neste ano, o Ceará soma 2.143 homicídios.

A polícia militar não pode servir como força auxiliar do caos

Na falta de um corpo organizado no interior das Forças Armadas que tope encarar a aventura do autogolpe, como ocorreu na Ditadura Militar, o presidente busca aliados em suas forças auxiliares, as polícias militares, causando mais uma dor de cabeça aos governadores. Vale ressaltar que os gestores estaduais são tidos pelos grupos bolsonaristas como os bodes expiatórios de tudo o que acontece de ruim neste país: da explosão de casos de Covid-19 ao aumento no preço da gasolina. O Ceará tem dado um exemplo de como lidar com grupos cujos interesses se chocam com os valores democráticos. A atuação do Ministério Público Militar e da CPI das Associações Militares são peças fundamentais para determinar o que há por trás das ações de insubordinação mais recentes contra o Governo do Estado. Não é o momento de tergiversar. Em momentos de crise, a Polícia Militar precisa se manter como uma força auxiliar de defesa da ordem constitucional e não de interesses escusos, por mais que venham embalados sob a ardilosa bandeira do patriotismo.

Adultos e familiares de jovens também estão sem vacina por medo das facções

Em 12 de agosto, o Blog Escrivaninha trouxe com exclusividade o relato de que os jovens de alguns bairros estariam deixando de se vacinar contra a Covid-19 por medo de sofrerem represálias das facções criminosas. Nesta semana, a informação é que até mesmo adultos e familiares dos jovens compartilham desse temor. Ainda não há um protocolo de segurança por parte da Prefeitura de Fortaleza para lidar com essa situação de vulnerabilidade. As filas são longas e a exposição é permanente tanto no trajeto quanto na espera. A falta de orientação e o medo são uma constante. “Diversas pessoas mais velhas ainda não foram tomar a vacina com medo. Muitas delas por terem filhos e netos envolvidos no mundo do crime”, afirma uma fonte ouvida pela reportagem.

Definidos os nomes do presidente e do relator da CPI das Associações Militares

Após o anúncio de sua criação, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Associações Militares definiu os nomes do presidente, vice-presidente e relator. São eles, respectivamente: os deputados Salmito Filho (PDT), Queiroz Filho (PDT) e Elmano de Freitas (PT). A CPI irá investigar o suposto financiamento de associações ligadas à Polícia Militar e ao Corpo de Bombeiros aos policiais amotinados no Ceará, em fevereiro do ano passado. As sessões ocorrem a partir da próxima terça-feira, dia 31, às 9h30. A composição da Comissão Parlamentar de Inquérito já havia sido anunciada. Os membros titulares são: Soldado Noelio (PROS), Davi de Raimundão (MDB), Romeu Aldigueri (PDT) Salmito Filho (PDT), Queiroz Filho (PDT), Augusta Brito (PCdoB), Nizo Costa (PSB), Elmano de Freitas (PT) e Marcos Sobreira (PDT).

Formação precisa ser a palavra-chave do novo concurso da PM

Embora a formação não seja garantia de boa conduta, certamente ela constitui parte importante dos fundamentos pelos quais os profissionais se guiarão ao longo da carreira. Os riscos de insubordinação são menores quando o militar compreende de forma plena seu papel institucional. Essa compreensão é ainda mais relevante diante do atual cenário em que ameaças à democracia vêm de todos os lados. A preservação da ordem pública, missão da Polícia Militar, é a preservação de uma ordem eminentemente constitucional, sem margem para golpismos.

Cidade dos Funcionários pode ser o novo destino da Feira José Avelino

A avenida Júlio Jorge Vieira, na Cidade dos Funcionários, pode ser o novo destino da Feira José Avelino. A via dá acesso à rodovia BR-116, ao lado do mercado Assaí Atacadista. Moradores reclamam do abandono da avenida, que não é pavimentada, e da sujeira, haja vista que o espaço serve atualmente como depósito de lixo e entulho. A informação de que o local está sendo estudado como nova sede da feira foi repassada durante uma reunião com um grupo de moradores do bairro.

Mais três bairros também registram casos de perda de vacina por medo das facções; Prefeitura não se pronuncia

Jovens de pelo menos mais três bairros de Fortaleza, Serrinha, Itaperi e Damas, perderam a vacina contra a Covid-19 por causa do agendamento ter sido marcado para uma unidade de saúde situada em um território dominado por uma facção rival. O medo de que possam ser vítimas de algum tipo de violência no trajeto entre a residência e o posto de vacinação impede que o deslocamento seja feito. Conforme o Blog Escrivaninha apurou, a partir de relato dos próprios profissionais da área da Saúde, nem mesmo o Centro de Eventos representa um local seguro, haja vista o equipamento público estar instalado em uma área sob a influência dos Guardiões do Estado (GDE).

EXCLUSIVO: Conflito de facções deixa jovens sem vacina contra a Covid-19 em Fortaleza

Desde o domingo passado, dia 8, jovens a partir de 24 anos podem ser imunizados na capital cearense. No entanto, profissionais da área da Saúde revelaram ao Blog Escrivaninha que pessoas com a data agendada para se vacinar esta semana estão com medo de se deslocarem até o ponto de vacinação pelo fato de o equipamento público estar situado em um território pertencente a uma facção rival. Pelo menos quatro jovens com idades entre 22 e 23 anos já perderam a vacina e agora tentam de alguma forma se vacinar em unidades de saúde próximas aos seus locais de moradia.

Apesar da exigência legal, Ceará não registra dados sobre a violência contra a população LGBTQIA+

O Brasil é considerado o país que mais agride e mata homossexuais e pessoas trans no mundo. Dados do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública reafirmam essa condição, mostrando crescimento superior a 20% no número de notificações de estupros (88) contra pessoas LGBTQIA+ em 2020. O Anuário também chama atenção para o contexto de subnotificação de casos de violência contra essa população no Brasil: dados focados nessa comunidade inexistem em sete estados da federação – Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Ceará, Rondônia e Rio Grande do Sul – segundo o levantamento, que mapeia o crime no país.