Homero: o precursor da glorificação estética da violência na guerra

Homero foi o primeiro a nos fazer delirar com as cenas violência de uma guerra sem estarmos nela e a desejarmos estar nela guerreando em defesa de um povo. Não por acaso se tornou um educador da aristocracia guerreira que dominava à época por meio do poder da violência militar, forçando todos a obedecer às ordens militares e serem educados para serem militares como em Esparta. Não por acaso, o poeta passou também a ser criticado pelos filósofos, e principalmente por Platão, quando Atenas se tornou uma democracia e o povo retirou o poder das mãos dos militares aristocráticos oligarcas que a dominavam e a não valorizar os atos guerreiros, os feitos de guerra.

Pandemia reconfigura mercado da droga no mundo

O cenário futuro desenhado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime é pouco otimista. Os danos sociais e econômicos provocados pela pandemia tanto geram aumento na demanda por drogas quanto possuem potencial para fortalecer os mercados ilícitos de entorpecentes por meio do incremento das oportunidades de expansão. Os traficantes tiveram de reordenar suas práticas ao longo da pandemia, diversificando suas estratégias de produção e circulação de entorpecentes. Sem alarde, o mercado de drogas se reconfigurou na velocidade própria das atividades ilícitas. Casos como o do jatinho turco devem se tornar mais comuns nos próximos meses. O cenário que se descortina é de maior acirramento das apreensões com sua contrapartida no incremento da violência, uma realidade já bastante conhecida e na qual as principais vítimas são as populações mais vulneráveis.

Curso debate papel do homem na violência contra a mulher

A Fundação Demócrito Rocha está lançando o curso “O papel do homem no enfrentamento à violência contra mulher”, gratuito, com 48 horas/aula, na modalidade a distância (EaD). O público-alvo é formado por homens a partir de 16 anos, profissionais da segurança pública, professores e demais profissionais da educação, líderes comunitários, agentes de saúde, gestores públicos, profissionais da saúde e os demais interessados sobre o tema. Leila Paiva, presidente da comissão de Direitos Humanos da OAB-CE e coordenadora de conteúdo do curso, afirma que a expectativa é chamar a atenção do público para um tema que não tem sido debatido como deveria. “Visamos orientar não só o público masculino, mas a sociedade como um todo. A intenção é dialogar tanto com os agressores quanto com homens que possam vir a monitorar a violência contra a mulher no cotidiano”, explica.

Por falar em estátuas, cadê a do Leonel Brizola no Centro de Fortaleza?

O historiador e cineasta Luís Carlos Saldanha, do Blog Centreiro, faz um registro bastante interessante em meio à discussão sobre a derrubada ou não de estátuas de personagens históricos: Cadê a imagem de Leonel Brizola na travessa Crato, quase em frente à Catedral Metropolitana de Fortaleza?

Entidades protestam contra eleição para Ouvidoria Geral da Defensoria Pública; seis candidaturas femininas foram indeferidas

A eleição da Ouvidoria Geral Externa da Defensoria Pública Geral do Ceará, que ocorreu no último dia 28, tem gerado protesto por parte dos movimentos sociais. O motivo é o indeferimento de seis candidaturas femininas. Apenas uma candidatura foi deferida, a do advogado Francisco Allyson da Silva Frota. Como forma de protesto, a adesão ao pleito foi baixa: somente nove das 37 entidades com direito a voto participaram do processo eleitoral. Vinte e três instituições se manifestaram por meio de uma nota, na qual justificavam o não comparecimento dos movimentos sociais à votação e, além disso, declaravam voto nulo coletivo.

Apesar da exigência legal, Ceará não registra dados sobre a violência contra a população LGBTQIA+

O Brasil é considerado o país que mais agride e mata homossexuais e pessoas trans no mundo. Dados do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública reafirmam essa condição, mostrando crescimento superior a 20% no número de notificações de estupros (88) contra pessoas LGBTQIA+ em 2020. O Anuário também chama atenção para o contexto de subnotificação de casos de violência contra essa população no Brasil: dados focados nessa comunidade inexistem em sete estados da federação – Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Ceará, Rondônia e Rio Grande do Sul – segundo o levantamento, que mapeia o crime no país.

Pastorais sociais denunciam “cisma branco” e rejeição ao modelo de Igreja do papa Francisco

Vinte e seis pastorais sociais e movimentos da Arquidiocese de Fortaleza se manifestaram ontem, por meio de uma nota de solidariedade, sobre as agressões sofridas pelos sacerdotes da Paróquia da Paz. De acordo com o documento, as ofensas mostram “com clarividência a rejeição ao modelo de Igreja em saída para as periferias, ao modelo de Igreja participativa e da profecia que papa Francisco tanto deseja e que ele mesmo tem encontrado por parte do conjunto de muitos que se dizem ‘católicos’ e mesmo de hierarquia e laicato, profundas dificuldades e rejeições, num verdadeiro ‘cisma branco’ no interior dessa Igreja”.

Frei franciscano sofre ataques e ameaças de morte por apoio à população LGBTQIA+

As hostilidades a religiosos que defendem uma igreja com valores mais progressistas não se restringem apenas às intimidações ocorridas aos padres da Paróquia da Paz e que resultaram no ingresso dos sacerdotes ao Programa de Prevenção a Defensores dos Direitos Humanos (PPDDH). O frei Lorrane Clementino, da Ordem dos Frades Menores (OFM), vem sendo alvo, nos últimos dias, de ataques pessoais e ameaças de morte por sua luta a favor da população LGBTQIA+ e pelas críticas feitas ao Governo Federal e às práticas conservadoras no interior da Igreja Católica.

“Botamos os comunistas pra correr”, grupo comemora boicote a padres

“Brasil acima de tudo. Deus acima de todos. Missa Paróquia Paz hj. Botamos os comunistas pra correr”. A mensagem de voz que circula no whatsapp dá conta de uma bem-sucedida ação promovida na Igreja Matriz da Paróquia da Paz, nesse último domingo, dia 18, por bolsonaristas. Um militar reformado expõe ao interlocutor suas impressões sobre a presença ostensiva e organizada de opositores na celebração a fim de impedir que pautas que não fossem de interesse do grupo fossem abordadas na missa. A intimidação dos religiosos da Paróquia da Paz, sem que os opositores enfrentassem maior resistência, abre um perigoso precedente na Igreja Católica do Ceará. Os profetas ainda poderão falar na Arquidiocese que um dia foi conduzida por dom Aloa sio Lorscheider?

Padre Lino irá solicitar inclusão no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH)

Aos 82 anos de idade e aos 56 anos de vida sacerdotal, o padre italiano Lino Allegri, deverá solicitar o ingresso no Programa Estadual de Proteção aos Defensores e Defensoras de Direitos Humanos (PPDDH). A decisão ocorreu na noite da última quinta-feira, dia 15, durante uma reunião virtual com amigos e membros da Defensoria Pública e do Ministério Público. A escalada de agressões, ataques virtuais e hostilidades ocorridas na Paróquia da Paz contribuiu para que esse fosse o caminho a ser tomado. A medida visa à proteção da integridade pessoal do sacerdote, bem como assegurar a manutenção da atuação dele na defesa dos direitos humanos. A possibilidade de que mais pessoas envolvidas nesse episódio de intolerância possam vir a pedir a inclusão no programa não está descartada.