Cidade dos Funcionários pode ser o novo destino da Feira José Avelino

A avenida Júlio Jorge Vieira, na Cidade dos Funcionários, pode ser o novo destino da Feira José Avelino. A via dá acesso à rodovia BR-116, ao lado do mercado Assaí Atacadista. Moradores reclamam do abandono da avenida, que não é pavimentada, e da sujeira, haja vista que o espaço serve atualmente como depósito de lixo e entulho. A informação de que o local está sendo estudado como nova sede da feira foi repassada durante uma reunião com um grupo de moradores do bairro.

Covid-19: Guardas municipais aguardam serem vacinados; baixas chegam a 12

Na terceira reportagem da série sobre o impacto da Covid-19 entre os profissionais da segurança pública, abordamos a situação da Guarda Municipal de Fortaleza (GMF). Os agentes começaram a ser vacinados em abril, mas quem não mora na Capital se queixa pela falta de imunização.

Em abril, Fortaleza registra mais mortes do que nascimentos pelo 2º mês consecutivo

Com cerca de 2,6 milhões de habitantes, Fortaleza teve até a última sexta-feira, dia 30, 3.108 óbitos e 2.655 nascimentos feitos em cartórios de Registro Civil no mês de abril. Os dados são do Portal da Transparência do Registro Civil e se referem a março e abril de 2021. A capital cearense é uma das três capitais nordestinas em que as mortes superam nascimentos no mês. O número repete fenômeno observado em março, que teve 3.421 óbitos e 2.473 nascimentos, se tornando o quarto mês na História em que as mortes superaram os nascidos vivos.

Repressão à manifestação foi completamente incompatível com os princípios básicos do Estado de Direito, afirma Copen

Cláudio Justa, presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), participou na manhã de hoje, dia 23, de uma reunião do Núcleo de Direitos Humanos e Ações Coletivas da Defensoria Pública do Estado (NDHAC) para acompanhar a escuta das vítimas e testemunhas no caso do protesto na SAP. De acordo com o relato dele, a conduta da Polícia Militar foi completamente incompatível com os princípios básicos do estado de Direito. “Uso abusivo da força ficou patente além da nítida intenção não de conter ameaça de distúrbios, mas sim de reprimir o próprio direito constitucional à manifestação.
As agressões também foram seletivas, com militantes negros como alvos. Um protesto pacífico, com a presença de mulheres, crianças e religiosos da Pastoral Carcerária foi reprimido, de modo injustificável, com spray de pimenta, balas de borracha e, pasmem, com uso de munição letal”, afirmou.

Entidades da sociedade civil repudiam repressão desproporcional da PM do Ceará contra manifestantes

A resposta desproporcional da PM do Ceará a uma manifestação de mães e familiares do sistema pena, na tarde de ontem, em pleno Dia da Consciência Negra (20 de novembro), foi alvo de uma série de críticas e repúdios públicos. Conforme revela o jornal O POVO, a ação violenta promovida pelo Batalhão de Choque será investigada pelo Núcleo de Investigação Criminal do Ministério Público estadual (MPCE). O procurador geral de Justiça, Manuel Pinheiro, teria encaminhado um vídeo ao promotor Humberto Ibiapina, coordenador da área, para abertura do procedimento.

Adversários na campanha, Sarto e Wagner possuem propostas com mais semelhanças que diferenças para a segurança municipal

Com 35,72% dos votos válidos, Sarto Nogueira (PDT) entra no segundo turno em vantagem diante de seu adversário, Capitão Wagner (Pros), que obteve 33,32%. Embora o medo da violência e o avanço da criminalidade estejam muito presentes nos discursos cotidianos da população fortalezense, o debate sobre o tema pouco avançou no primeiro turno. Os ataques pessoais foram a tônica da campanha, restando muito pouco espaço para se discutir o que havia nos planos de governo. Há quem não goste da comparação, mas em se tratando das propostas para a área de segurança municipal, os dois candidatos possuem mais pontos em comum do que divergências. Basta conferir o que vem sendo proposto e o que vem sendo realizado pela atual gestão.

Uma agenda de segurança pública para Fortaleza

É preciso pensar uma agenda consistente em torno de soluções que vão além do mais do mesmo. Base legal para tanto já existe. Criado em 2018, o Sistema Único de Segurança Pública (Susp) é uma tentativa de estabelecer uma atuação “conjunta, coordenada, sistêmica e integrada” dos órgãos responsáveis pela segurança pública nos moldes do que foi feito no Sistema Único de Saúde (SUS). Os municípios são citados o mesmo número de vezes (11) que os estados no texto do SUSP, reforçando o papel do poder municipal em prover segurança aos seus cidadãos e cidadãs no interior de suas competências e atribuições legais.

De qual modelo de segurança Fortaleza necessita?

Em relação aos números absolutos, é possível notar que houve uma queda no número de homicídios de 1.993 para 663, no mesmo período. No entanto, essa redução não ocorreu de forma linear (ver quadro). A variação percentual oscilou de -39% para 97%, de um ano para outro, caracterizando uma verdadeira montanha-russa estatística. Tamanha discrepância nos indicadores não pode ser explicada única e exclusivamente como resultado de políticas públicas, mas como efeito de eventos extraordinários como o processo de reordenamento do tráfico de entorpecentes promovido por organizações criminosas de dentro e de fora do Estado, entre 2015 e 2016, que ficou conhecido como a “pacificação”, por exemplo.

Mortes de brancos caem enquanto a de negros aumentam, é por isso que Fortaleza nunca mais se apavorou

A pauta do “Fortaleza Apavorada” restringia-se a uma faixa territorial e de renda muito específicas. Com ajustes no policiamento, a quantidade de furtos, assaltos e arrastões caiu, diminuindo a sensação de insegurança vivida por moradores das áreas mais ricas e urbanizadas. A periferia, por sua vez,só pôde sentir-se relativamente segura no período da “paz” entre as facções.